Reflexão sobre o Dia da Mulher

Primeiro de tudo, gostaria de aproveitar para desejar a todas as mulheres um Feliz Dia da Mulher! Porque sim, todas merecem. O seu facebook deve estar lotado de referências cinematográficas, literárias ou musicais para homenagear as mulheres, mas você sabe como o Dia da Mulher surgiu? Foi no dia 8 de março de 1857 que operárias de Nova York entraram em greve para reivindicar melhores condições de trabalho e suas vozes foram caladas. Essas operárias morreram incendiadas dentro da fábrica que trabalhavam. Anos depois, o dia 8 de março foi escolhido não só para homenagear aquelas mulheres, mas também para promover debate e conscientização sobre o papel da mulher na sociedade. Hoje, 159 anos depois daquele incêndio, as mulheres ainda lutam pela igualdade.

No ano passado, eu havia escrito um post sobre as roupas unissex (leia aqui) nessa data. Depois de ler um post muito interessante sobre a questão da roupa na desvalorização da mulher, quero abordar essa ideia. A blogueira Charlotte Lewis postou sobre como as botas OTK (over the knee, traduzindo: acima do joelho) são muitas vezes relacionadas a prostitutas. Como ela mesma sugere, talvez por conta do famoso filme Uma Linda Mulher. O que, claro, não justifica a relação. (leia o post completo aqui).

O texto da Charlotte  que me inspirou a escrever esse. Tenho visto muitas matérias de casos de abuso nos quais o agressor justifica o ato pela roupa que a vítima estava usando. “Ela estava pedindo”. Muitos casos de mulheres sendo abusadas nos ônibus. Garotas sendo repreendidas nas escolas porque “a roupa dela não é adequada” e “pode distrair os estudantes”. Mulheres que não são contratadas porque tem cabelo colorido. Sério. Ano passado, eu pintei as pontas do meu cabelo de verde e, passando no caixa do supermercado, a moça do caixa disse que gostou do meu cabelo e que ela já teve cabelo roxo. O ridículo é que ela teve que cortar para trabalhar naquele supermercado. Fiquei chocada. “É, eles não aceitam funcionária de cabelo colorido, então tive que cortar pra ter o emprego”.

Dizer que a igualdade de gêneros existe é mentira. Ainda é preciso muita luta e conscientização para que casos como os mencionados acima parem. Para que as pressões diminuam. Para que cada mulher possa ser ela mesma. Nada mais que isso. Porque não existe um padrão a ser seguido. Não existe corpo, cabelo, olhos, altura, peso ou cor que sejam perfeitos. A saia midi não é só para garotas altas e magras. Usar minissaia não quer dizer que você espera ser abusada ou assediada. Ser branca, parda ou negra, de cabelo liso, crespo ou cacheado não define seu caráter. Ter o cabelo rosa/azul/verde/cinza, tatuagens ou piercings não muda sua capacidade. Não importa. Não se envergonhe de quem você é. Confie em si mesma. Então seja você mesma. E mude se tiver vontade.

Feliz Dia da Mulher!

E continuemos na luta!

 

Você também pode gostar:

2 Comentários

  1. Feliz dia da mulher, atrasado!
    E que bom que você colocou esse post por aqui, tem muita gente que não entende realmente o porque do dia, da importancia dele. E melhor ainda é para todos refletirem sobre os direitos que nós temos

    Beijos
    http://www.heyealaysa.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *